31 de mai de 2006

Fala Adélia ...


.
.
.
Meu coração causa pasmo porque bate
E tem sangue nele e vai parar um dia
E virar um tambor patético
Se falas no meu ouvido:
“Não esqueço você.”
.
.
(Adélia Prado)

26 de mai de 2006

Aborto

.

.

Foto de Nanã S. Dias
.
..
Minha dor é velha
Como um frasco de essência cheia de pó.
(Álvaro Campos )

.
ABORTO
.

DEIXAREI QUE MORRA EM MIM AS LEMBRANÇAS QUE JÁ TEMOS
DEIXAREI QUE MORRA EM MIM O FUTURO QUE NÃO VEIO
DEIXAREI QUE MORRA EM MIM TODO O CHEIRO DA CASA
E COM ELE A POSSIBILIDADE DE VIDA .
.
Leonor Cordeiro
.

.

20 de mai de 2006

Novos tempos ...

Comemoração do dia das mães no meu tempo de criança em São Paulo
.

.
DIA DAS MÃES DE 2006:
.

Mamãe se arrumando

.

Fogão da mamãe

.

Mamãe saindo para as compras

.

Compras da mamãe

.

Filha esperando a mamãe para o almoço

.

Presente que a mamãe ganhou do marido

.

Prato especial do Dia das Mães !
.


http://www.worth1000.com/cache/contest/contestcache.asp?contest_id=10198&display=photoshop#entries

.

16 de mai de 2006

No caminho , com Maiakóvsk



.
NO CAMINHO, COM MAIAKÓVSKI
,.
Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakósvki.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.
.
Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho e nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.
.
Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz:
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.
.
Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei, porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.
.
Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas no tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares,
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.
.
E por temor eu me calo.
Por temor, aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita - MENTIRA!
.
Eduardo Alves da Costa
Niterói, 1936
.

9 de mai de 2006

Tardezinha no interior

.
.Fotografia de Lucaz
.
.
.
TARDEZINHA NO INTERIOR
.
.
GENTE NAS JANELAS TOMANDO A FRESCA
CARROS DOBRANDO ESQUINAS SEM SINAIS
CRIANÇAS CHORAMINGANDO ATRÁS DO CACHORRO
CHEIRO DE GRAMA MOLHADA
FONTE LUMINOSA ACESA
E O SEU ABRAÇO
QUE DÁ COR À NOITE !
.
(Leonor Cordeiro)
.
.

8 de mai de 2006

Domingo

.
.
.
.
DOMINGO
.
Os domingos passam por mim,
Não pedem licença,
Não perguntam dos meus hábitos,
Passam por mim,
A revelia, autoritários,
Eu não vivo aos domingos,
As lembranças, as cicatrizes
São profundas,
Eu alterei meu calendário,
Hoje eu sou segunda.
.
Tonho França.
.
.
.

5 de mai de 2006

Poesia de criança ...

.
.
Foto de Jean Chamoux
.
.
.
A árvore tem medo do machado.
A barata tem medo do chinelo.
A televisão tem medo do curto-circuito.
O espelho tem medo de ser quebrado.
O livro tem medo de ser rasgado.
O carro tem medo da batida.
O sapato tem medo do chiclete.
O chiclete tem medo do sapato.
O aluno tem medo da prova.
É isso que é o medo.
.
.
Francisco
(9 anos)
.

4 de mai de 2006

Humanidade

.
.
Ilustração retirada do blog da querida Burtonesca
.
.
.
Humanidade
.
.
Hoje tem alguém com saudade
nesse mundo de meu Deus .
Saudade indefinida
sem boca
sem cara
sem roupa .
Pode ser do pai
da avó
da tia
do sobrinho
do jornaleiro da esquina
do quintal
da cerejeira do Japão .
Tem alguém com frio nas mãos
com sono e insônia .
Alguém voando com os pés no chão
Pés de barro ...
..
.
Leonor Cordeiro

.

2 de mai de 2006

Meus rabiscos ...

.
.Foto de Antonio M. Pinto da Silva
.
.

Minha alma está fechada e vazia .
Apenas uma criança brinca
No espaço que sobrou
Entre o mundo e eu.
Apenas ela sabe entrar pela janela .
Depois que entra,
Da pra ouvir risos em meio a morte .
.
.
Leonor Cordeiro
.
.