28 de mai de 2007

Aguarda o sopro

.
.
.
.
.
Aguarda o sopro
.
Vem comigo, amigo poeta,
Repousa aqui neste galho...
Não te apresses, meu pateta,
Poema bom dá trabalho...
.
Antonio Lázaro de Almeida Prado
(Do livro: Arte Poética para Passarinhos )
.

Trinado novo

.
.
,
.
.
.
Trinado novo

.

Nunca esperes obra prima
Em trinado de improviso
Na garganta brota a rima,
Que requer sopro e o... siso...

.
Antonio Lázaro de Almeida Prado

(Do livro: Arte Poética para Passarinhos )
.

Lição de sonho

.
.
,
.
.
.
Lição de sonho
.
Aprende comigo, amigo
A vencer tortura e dor:
É sempre assim que consigo
Ser real e sonhador...
.
..
Antonio Lázaro de Almeida Prado
(Do livro: Arte Poética para Passarinhos )
.
.

Sem rancores

.
.
,.
.
.
Sem rancores
.
Guardas rancores na alma?
Teu cantar será viciado!
É do recesso da calma
Que o canto surge apurado...
.
Antonio Lázaro de Almeida Prado
(Do livro: Arte Poética para Passarinhos )
.
.

27 de mai de 2007

Poeminhas insensatos (1)

.
Frida Kahlo
.

DA TRISTE REALIDADE
.
este mesmo coração
irresponsável
que se desmantela
em batidas
por ti,
um dia vai deixar
de bater
por mim.
.
Ademir Antonio Bacca
do livro: “Inventário de Emoções”.

.

Poeminhas insensatos (2)

.
Edvard Munch
.

DA REALIDADE
.
na partilha
das minhas mágoas
não apareceu viv'alma
interessada
.
.
Ademir Antonio Bacca
do livro: “Inventário de Emoções”
.

26 de mai de 2007

Poeminhas insensatos (3)

.
.
John Halaka

...

DOS CUIDADOS


há coisas

do coração

que a gente sente

e não explica


.

o infarto

por exemplo


.

Ademir Antonio Bacca

do livro: “Inventário de Emoções”


.

22 de mai de 2007

Metamorfose

.
. .

Metamorfose
. .
o olhar da menina
passou pelo pai
passou pela mãe
pela luz do abajur
e se perdeu
no emaranhado de plantas
do fundo do aquário.
Agora, ela é peixe ...
.
Leonor Cordeiro
.

Meus rabiscos...

.
.
Pintura de Rodolfo Morales

.
.
estrelinhas de cetim
na colcha de retalhos,
a bordadeira fez o céu com as mãos..
.
Leonor Cordeiro

.

15 de mai de 2007

Antoine Saint-Exupery

.
..
.
.
.

Aqueles que passam por nós,
não vão sós, não nos deixam sós.
Deixam um pouco de si,
levam um pouco de nós.
.
Antoine de Saint-Exupéry

.
.

13 de mai de 2007

Minha mãe

.
.
.

.

.
Da pátria formosa distante e saudoso,
Chorando e gemendo meus cantos de dor,
Eu guardo no peito a imagem querida
Do mais verdadeiro, do mais santo amor:
— Minha Mãe! —
.
Nas horas caladas das noites d’estio
Sentado sozinho co’a face na mão,
Eu choro e soluço por quem me chamava
— “Oh filho querido do meu coração!” —
— Minha Mãe! —
.
No berço, pendente dos ramos floridos
Em que eu pequenino feliz dormitava:
Quem é que esse berço com todo o cuidado
Cantando cantigas alegre embalava?
— Minha Mãe! —
.
De noite, alta noite, quando eu já dormia
Sonhando esses sonhos dos anjos dos céus,
Quem é que meus lábios dormentes roçava,
Qual anjo da guarda, qual sopro de Deus?
— Minha Mãe! —
.
Feliz o bom filho que pode contente
Na casa paterna de noite e de dia
Sentir as carícias do anjo de amores,
Da estrela brilhante que a vida nos guia!
— Uma Mãe! —
.
Por isso eu agora na terra do exílio,
Sentado sozinho co’a face na mão,
Suspiro e soluço por quem me chamava:
— “Oh filho querido do meu coração!” —
— Minha Mãe! —
.

Casimiro de Abreu

.