23 de out de 2007

IRMANDADE

.
.
.
.
Sou homem: duro pouco
e é enorme a noite.
Mas olho para cima:
as estrelas escrevem.
Sem entender compreendo:
Também sou escritura
e neste mesmo instante
alguém me soletra.
.
Octavio Paz
.
Tradução de Antônio Moura
.
.
.

Nenhum comentário: