31 de out de 2007

Menino doente

.
.
Andrew Wyeth
.
.
.
Eram o pião, a bola, o realejo,
o trem de corda, a caixa do brinquedo
de armar. Longe da escola, eram os
dedos da mãe, penteando-lhe os cabelos,
a fruteira no quarto, o açúcar-cande,
o resedá por cima da atadura.
.
Entre a cama e a janela, era o menino
com medo, não da doença, mas da cura.
.
Mauro Mota
(Itinerário – Editora José Olympio)
.
.

2 comentários:

Luciana Pessanha Pires disse...

Leonor, querida! Fiquei muito sensibilizada com esse poema. É lindo e triste.
Passei para uma visita e para deixar um abraço

Leonor Cordeiro disse...

Obrigada Luciana,
O poema é lindo e triste, concordo com você .
Como vai o Gabriel? O dia já está chegando? Me conte as novidades...
BJS!!!