13 de out de 2007

Paulo Autran e Cecília Meireles ...

.

.

.

Retrato

.
Eu não tinha este rosto de hoje,

assim calmo, assim triste, assim magro,

nem estes olhos tão vazios,

nem o lábio amargo.

.

Eu não tinha estas mãos sem força,

tão paradas e frias e mortas;

eu não tinha este coração

que nem se mostra.

.

Eu não dei por esta mudança,

tão simples, tão certa, tão fácil:

— Em que espelho ficou perdida

a minha face?...

.

Cecília Meireles

.

(Imagens: pinturas de autoria de José Ulisses Gonzales Silva)

.

3 comentários:

Eliane disse...

Oi, Leo. Lindíssimas as montagens sobre o Paulo Autran. Este poema da Cecília Meireles é genial. Parabéns, amiga.

Leonor Cordeiro disse...

Obrigada Eliane, grande abraço !

Lucia Ramineli disse...

Leonor, temos paixões poéticas comuns. Uma delas, Cecília. Queria te mandar, de presente, umarquivo em mp3. Acho que você vai gostar. Como posso fazer isso?