1 de mar de 2008

Cecília Meireles...

.
.
.
.
.
Ah, como era impossível
suster a forma das rosas !
.
Cecília Meireles
.
.
Poema Tempestade
Obra Poética , Editora Nova Aguilar, p.664
.

2 comentários:

Evelyne Furtado disse...

Li o Manifesto do poeta com o qual concordo, mas amei esses versos de Cecília e deixo-lhe um beijo através dele.
Seu blog é lindo e refinado, amiga querida.
Beijos saudosos e felicidade , muita!!!!!!!

Leonor Cordeiro disse...

Oi Evelyn !
Também concordo com o Lau, suas reflexões são ótimas.
Obrigada pelo carinho, você é uma pessoa muito especial.
Mil beijinhos !