11 de jul de 2008

Palavras

.
.
.
O poeta nas montanhas arma a tenda. Estende os olhos sobre o abismo, apruma as asas, espera. O peito entoca o inquieto pássaro. O vento breve traz as palavras. Espalhadas na relva, ele as recolhe, ajunta, separa: cada uma com seu sol interior, sua recôndita lenda, os matizes à espreita de propícia luz onde se apurem. O poeta desentoca o pássaro e vai bicando as letras, alinhando-as, brunindo-as, tecendo ali um colar de sílabas, aqui um diadema de signos, uma tiara de imagens - um poema.
O pássaro sobrevoa as montanhas, ultrapassando-as. Tem nas vértebras a vertigem do verso, e vai levando-o para outras paragens: praias, planícies, planaltos, vales.
.
.
.

6 comentários:

Roseane, disse...

Oi amiga, vim te desejar um bom final de semana. Bjks!!!

Dois Rios disse...

Só mesmo um poeta para conseguir o feito de fazer uma viagem tão deslumbrande quanto esta, nas asas de suas palavras.

Beijo,

Anônimo disse...

Qual seu e-mail de contato? não achei no blog, abraço - crisbull@gmail.com

Maria Augusta disse...

Que palavras tão bem escolhidas para descrever a poesia. Muito lindo!
Beijos e bom final de semana.

Sonia Regly disse...

Deixei um selinho de presente para vc lá no meu Blog.Parabéns!!!!!

Tina disse...

Oi Leonor!

Excelente texto, obrigada por dividir.

beijo grande e boa semana,