1 de out de 2011

A mala por fazer...

.

Às vezes é só o desejo ferroviário de partir. O colocar a mala na rede por cima do assento. Esperar que ninguém nos acompanhe na carruagem. Abrir o jornal e adormecer, na ronronante viagem. Num qualquer apeadeiro, perdidas já as saudades de tudo, e ainda sem saber para que destino, mirar todos e cada um dos que entram a bordo, como se houvesse neles uma razão que a nós nos falta. Às vezes é só ficar eternamente no cais, a mala por fazer. um itinerário pelos carris do sonho pelas estações da ilusão.
.


.

4 comentários:

Pedra do Sertão disse...

Ah, como é bom viagens assim...sem destino, ou com destino, mas com direito à volta! Abraço

Evandro L. Mezadri disse...

É uma bela reflexão, me deu vontade de viajar.
Grande abraço e sucesso!

Dalva Maria Ferreira disse...

Quanto tempo faz que não coloco a mala na redinha por cima do banco!

elvira carvalho disse...

Há mais de cinco anos que não viajo de comboio.
Um texto muito bonito
Um abraço e uma boa semana