2 de abr de 2008

(Sempre que Amanheço...)

.
.
.
lembro-me de ti estrela da manhã,
quando tomba a noite nesta colina.
.
lembro-me de ti Lisboa,
terraço virado a sul
para a basílica da estrela.
.
lembro-me de ti,
planícies da saudade
sempre que amanheço
noutra cidade.
.
no Alentejo, os sinos da igreja,
recordam a alegria de ver
o rio a passar.
o tempo é desejo cantado devagar.
.
nesta aldeia o silêncio é terra,
as estrelas o grande mar...
.
lembro-me de ti Lisboa,
quando a noite vira o mundo,
no outro lado do céu.
.
sempre que os sinos tocam
lembro-me de ti,
planícies da saudade,
onde o mar nunca chega a espreitar.
.
sempre que amanheço noutra cidade,
lembro-me de ti...
.
.

2 comentários:

Maria Augusta disse...

Que poema maravilhoso, tem-se a impressão de percorrer a terra lusitana através de suas linhas.
Muito boa tua escolha.
Beijos.

Leonor Cordeiro disse...

Concordo totalmente com você. Também me sentir percorrendo aqueles lugares...
BJS!!!