2 de set de 2008

Aniversário

.

.
.
Aniversário
.
[473]
.
No TEMPO em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.
.
No TEMPO em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.
.
Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho...)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!
.
O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio...
.
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim...
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!
.
Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui...
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas o resto na sombra debaixo do alçado —,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...
.
Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!...
.
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!...
.
.

Álvaro de Campos
.

6 comentários:

Renata Christina disse...

Eu a primeira? Nem acredito!!! Feliz aniversário maninha! Que Deus te abençoe com muitas alegrias, saúde, paz, sucesso e muitas vitórias. Que tal um bolo da Casa da Sobremesa de Campinas? Amo você! Parabéns! Milhões de beijos.Renata.

Anônimo disse...

Leonor, parabéns !!!!
Mais um aninho de vida??? Quantos??? hahahahahaha!!!
Saúde, paz e felicidades !
Noemia

Anônimo disse...

voltei para perguntar: tem bolo??? quero um pedaço....
bjs

Sonia Regly disse...

Parabéns!!!!! Que DEUS a abençoe plenamente concedendo-lhe tudo o que vc almeja e precisa!!!!! Quero bolooooooooooooo!! Adoro bobo confeitado!!!!

Tina disse...

Oi Leonor!


Parabéns, saúde, sucesso e sorte. Sempre. Nós Virginianas, somos ótimas, não? (rs)

beijo grande,

Leonor Cordeiro disse...

Renatinha:
Quem me dera estar em Campinas e desfrutar um ótimo bolo diet, é o sonho de todo diabético...
Também te amo de montão !!!!!!

Nô,
Obrigada pelos bilhetinhos, você é fogo, nunca esquece a data dos aniversários das amigas.
Bolo? Tentei comer um pedacinho mas não consegui, mas adorei a salada do restaurante ! Obrigada pelo carinho e afeto.

Sonia,
Quer bolo??? Vou mandar um para o Rio só para você ... rsrsrs
Obrigada pelo e-mail, obrigada pelo comentário e pela torcida.
Morri de rir com a sua frase: "Adoro bobo confeitado" hahahahahahahahaha...
bjssssssss

Tina,
Você tb é virginiana??? Então sabe bem como é ... rsrsrsrsrs
Adoro passar o aniversário com as amigas,mil beijinhos para você !!!