26 de out de 2009

.
.
.
Nossa existência é tão fugaz que, se não escrevermos à noite o que aconteceu pela manhã, o trabalho nos atordoa e não nos sobra tempo para registrá-lo. Isto não impede que lancemos ao vento as horas que são para o homem as sementes da eternidade.

Chateaubriand, Mémoires d'outre-tombe
.
.

6 comentários:

Dalva M. Ferreira disse...

Que coisa mais verdadeira! Beijo, Leonor, e obrigada pela sua importante visita aos meus escritos.

manuel marques disse...

A maioria dos homens vive uma existência de tranquilo desespero .

Abraço.

...aquela que voa disse...

Pra isso os blogs, o twitter, as cartas, os pombos-correio, as escritas nas pedras... o ser humano precisa se comunicar. Bjs e muito prazer ;)

angela disse...

E quantas palavras ao vento são lançadas!
Estou contente com seu retorno
beijos

Juℓi Ribeiro disse...

Leonor:

Realidade e sabedoria
se unem nas palavras
de Chateaubriand...
Teu blog continua lindo!
Refletindo beleza em prosa
e verso.
Beijo.

Renata de Aragão Lopes disse...

Verdade...

Um beijo, Leonor!
Faz tempo que não visita
minha confeitaria! : )

Um beijo,
doce de lira