16 de jul de 2010

Sobre a poesia...



.

"A poesia não me pede propriamente uma especialização pois a sua arte é a arte do ser. Também não é tempo ou trabalho o que a poesia me pede. Nem me pede uma ciência, nem uma estética, nem uma teoria. Pede-me antes a inteireza do meu ser, uma consciência mais funda do que a minha inteligência, uma fidelidade mais pura do que aquela que eu posso controlar. Pede-me uma intransigência sem lacuna. Pede-me que arranque da minha vida que se quebra, gasta, corrompe e dilui uma túnica sem costura. Pede-me que viva atenta como uma antena, pede-me que viva sempre, que nunca durma, que nunca me esqueça. Pede-me uma obstinação sem tréguas, densa e compacta..."


Sophia de Mello Breyner
.
.

6 comentários:

Suzana Martins disse...

Ahh... Sophia!!
Ela e suas palavras sábias...

Querida, pode ficar a vontade em pegar os versos, ficarei muito honrada em ver minhas simples palavras enfeitando seu lindo blog... =D

Beijos querida!

manuel marques disse...

"A solidão da poesia e do sonho tira-nos da nossa desoladora solidão"

Beijo e bom fim de semana.

Assis Freitas disse...

a poesia pede e às vezes ordena,


abraço

Pia Fraus disse...

Lindo post... a poesia sendo no dentro des sentidos.

até

Robson Ribeiro disse...

penso que a poesia pede uma busca incessante, e um estado poético permanente.

Beijo.

há palavra disse...

Belo texto!
Guarda semelhanças, em espírito, com o pensar-sentir que informa o conceito de "do"/caminho entre os orientais: o objetivo é attingir a "arte sem arte", quando o artista não mais necessita de qualquer instrumento [palavra, pincel etc] para "fazer arte" e passa a "viver arte"...
Abraços, bons caminhos...