7 de set de 2007

Bartolomeu Campos de Queirós ...

.
.

Renoir

.
.
.
"Um dia fiz uma redação sobre o mundo verde e o mundo azul. Mostrei para meu pai, na certeza de estar no caminho do encontro. Ele não entendeu nada nem me disse estar no caminho da gratidão. Cheguei a desconfiar ser a gratidão uma coisa pequena que se guardava no bolso ou debaixo do travesseiro junto com o papel da maça. Eu tinha a palavra, mas não sabia onde estava o significado."
..
.
Ler, escrever e fazer conta de cabeça
Global Editora
.
.

4 comentários:

Anônimo disse...

... Bartolomeu é muito mais que maravilhoso. Acho que não existe palavras que o definam por completo. Bartolomeu é um homem encantado, e como tudo que beira o encantamento é difícil de se definir por palavras. Mais fácil por sentimento. .

liiana disse...

Bartolomeu é puro sentimento, pura poesia.
Ler sua obra é puro deleite. É viagem a antiga infância, com cheiro de lençol lavado no rio, gosto de biscoitos assados no forno de barro, missa do galo, coisas lindas da minha infância que passei a reviver ao conhecer a obra de Bartolomeu.

FELIPE disse...

Bartô, meu grande Bartô. Cada palavra sua escrita ou falada nos leva a pensar, viajar, voar,sonhar,verificar, cantar, dançar e criar novas formas de dizer.
Obrigada! minha reverência, muios mimos.

Regina Campana

Luísa Bel Lunar disse...

Conheci Bartolomeu Campos a partir de leituras adotadas pela escola do meu filho. Isso ocorreu por volta dos idos de 1994. Desde então, encantei-me com temáticas várias que aqui ou acolá, ofertava resquícios ou mesmo a plena ainfância perdida e reencontrada tantas vezes em sótãos, corredores e varandas... a escrita precisa deste autor, contempla corações em broto,alvoroços e tropeços de um tempo que persiste a girar... cíclico e ferozmente silencioso.
Parabéns sempre,pela singeleza do registro poético dos dias.