29 de jun de 2010

Quatro dias com Cassiano Ricardo ...

Dedico essa postagem ao poeta José Carlos Brandão .
.

Quarto dia...

Jacek Yerka
.
.
Relógio
.
Diante de coisa tão doída
conservemo-nos serenos.
.
Cada minuto de vida
nunca é mais, é sempre menos.
.
Ser é apenas uma face
do não-ser, e não do ser.
.
Desde o instante em que se nasce
já se começa a morrer.
.
Cassiano Ricardo
.

.

28 de jun de 2010

Quatro dias com Cassiano Ricardo...

Terceiro dia ...
.

Wyeth Andrew .
.
Imemorial.

Não fui quem sou, quando nasci.
.
Nem sou quem sou, quando amo.
Nem quando sofro.
Porque coexisto. Porque a angústia
é uma herança.

.
Só me aproximo de mim mesmo
quando fujo,
atravesso a fronteira,
ou me defendo, ou fico triste.

.
Ou quando sinto a rosa
secreta e quente da vergonha
subir-me à face.

.
O mar me bate à porta,
como um grito da origem.
Mas como descobrir
a onda imemorial que me trouxe?
.

Cassiano Ricardo
in Um dia após o outro,1947
.
.

27 de jun de 2010

Quatro dias com Cassiano Ricardo...

Segundo dia:
.
.
POÉTICA
.
1
.
Que é a Poesia?
.
uma ilha
cercada
de palavras
por todos
os lados.
.
2
.
Que é o Poeta?
.
um homem
que trabalha o poema
com o suor do seu rosto.
Um homem
que tem fome
como qualquer outro
homem.
.
Cassiano Ricardo
(In Jeremias Sem-Chorar. São Paulo, José Olympio, 1964)
.
.

24 de jun de 2010

Quatro dias com Cassiano Ricardo...

Primeiro dia :
.
.
Quando estou triste, leio Musset. Se a minha tristeza tem um sabor português (há uma tristeza para cada terra) recorro ao Antônio Nobre que é mais chegado à intimidade de minha raça. Quando estou áspero, exaltado no meu apego à terra, leio Euclides de Os Sertões. Quando necessito de mocidade para meu espírito, leio o velho João Ribeiro nacional ou o velho Bernard Shaw estrangeiro. Quando fico meio céptico, que fazer? Sirvo-me do Anatole dissolvente para dissolver em água-de-rosas o meu cepticismo. Quando me ponho a brincar com realidades mais sérias, leio o incrível Wells. Quando quero escarnecer dos homens, leio Voltaire. Quando estou farto de artifício literário e procuro maior soma de verdade humana e profunda, leio Cervantes. Quando me enfastiam as verdades correntes ou os conceitos usuais da vida, agarro-me a Chesterton. Poderia fazer o contrário: ler Voltaire ou Juvenal quando me sentisse triste e Musset ou Antônio Nobre (ou o nosso Rodrigues de Abreu, tão humilde na sua desesperança) quando me sentisse alegre. Mas não. O mal cura-se com o próprio mal. O bem paga-se com o próprio bem. A estante de minha sensibilidade é feita de momentos. E cada escritor tem, aí, o seu momento próprio e inevitável. Também, quando quero ser simples ou ser eu mesmo, expulso essa gente toda do meu convívio. Abro a janela que dá para a vida e restabeleço, como disse alguém, as minhas relações líricas com a Natureza. E faço de cada dia uma página branca. E faço de cada noite uma reticência de estrelas..."
.
Cassiano Ricardo
.
.
Encontrei essa preciosidade lendo o discurso de posse de Cassiano Ricardo na Academia Brasileira de Letras.
.

O leitor e o livro...

.
.
( J. Crew)
.
.

21 de jun de 2010

Ruy Belo ...

.
E TUDO ERA POSSÍVEL
.
Na minha juventude antes de ter saído
da casa de meus pais disposto a viajar
eu conhecia já o rebentar do mar
das páginas dos livros que já tinha lido
.
Chegava o mês de maio era tudo florido
o rolo das manhãs punha-se a circular
e era só ouvir o sonhador falar
da vida como se ela houvesse acontecido
.
E tudo se passava numa outra vida
e havia para as coisas sempre uma saída
Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer
.
Só sei que tinha o poder duma criança
entre as coisas e mim havia vizinhança
e tudo era possível era só querer
.
Ruy Belo
(In Homem de Palavra(s), Liboa, Editorial Presença )
.

20 de jun de 2010

Helena Kolody...

.
.

LONGE
.
Às vezes,
tudo é tão longe em mim...
Meu viver parece uma história
que alguém sonhou
há muito tempo,
num país distante.

.
Helena Kolody

(In VIAGEM NO ESPELHO, Edições Criar, Curitiba, 2001, p. 65 )

..

19 de jun de 2010

Sobre a poesia...

.
.
.
"A poesia vem como uma febre. De repente lhe vem e aí você agradece. Você nem sabe explicar por que tem esse dom".


Hilda Hist
(Fonte: Correio Braziliense, 15/02/1998 )

.

.

18 de jun de 2010

José Saramago...

.
.
.
.

"Agora há unanimidade quanto a José Saramago. Toda a gente diz que ele morreu. E é verdade."

José Saramago ...

.

Retrato do poeta quando jovem
.

Há na memória um rio onde navegam
Os barcos da infância, em arcadas
De ramos inquietos que despregam
Sobre as águas as folhas recurvadas.
.

Há um bater de remos compassado
No silêncio da lisa madrugada,
Ondas brancas se afastam para o lado
Com o rumor da seda amarrotada.
.

Há um nascer do sol no sítio exacto,
À hora que mais conta duma vida,
Um acordar dos olhos e do tacto,
Um ansiar de sede inextinguida.
.

Há um retrato de água e de quebranto
Que do fundo rompeu desta memória,
E tudo quanto é rio abre no canto
Que conta do retrato a velha história.
.
José Saramago
(In OS POEMAS POSSÍVEIS, Editorial CAMINHO, Lisboa, 1981)
.
.
Poema à boca fechada
.
Não direi:
Que o silêncio me sufoca e amordaça.
Calado estou, calado ficarei,
Pois que a língua que falo é de outra raça.
.
Palavras consumidas se acumulam,
Se represam, cisterna de águas mortas,
Ácidas mágoas em limos transformadas,
Vaza de fundo em que há raízes tortas.
.
Não direi:
Que nem sequer o esforço de as dizer merecem,
Palavras que não digam quanto sei
Neste retiro em que me não conhecem.
.
Nem só lodos se arrastam, nem só lamas,
Nem só animais bóiam, mortos, medos,
Túrgidos frutos em cachos se entrelaçam
No negro poço de onde sobem dedos.
.
Só direi, Crispadamente recolhido e mudo,
Que quem se cala quando me calei
Não poderá morrer sem dizer tudo.
.
José Saramago
(In OS POEMAS POSSÍVEIS, Editorial CAMINHO, Lisboa, 1981)
.

12 de jun de 2010

O azul ou o branco

( imagem do blog do autor)
.

.
Teria sido num tempo em que as tardes eram suficientemente extensas para que se pudesse dormir, tranquila, a sesta, as noites tão grandes que era possível, sem esforço, ficar a ler. Teria sido num tempo em que numa daquelas janelas eu vi o alvorecer de uma ideia e por causa dela decidi não regressar. Dias depois zarparia o último navio e no vazio do porto eu compreenderia, enfim, o mundo que me restava. Teria sido num tempo em que se poderia optar por uma viagem ou por uma permanência. Hoje, olhando-à à fotografia da casa, de cuja janela tudo me sucedeu, hesito se é o azul ou o branco o automóvel que lá deixei. Não sei em nome de que ideia, por causa de que ilusão, ou a caminho de que erro, mas parti, do mesmo porto, num outro navio, a caminho do mundo em falta, a parte restante de mim.
.
.
José António Barreiros
.

3 de jun de 2010

Poema

.
.
O poema me levará no tempo
Quando eu já não for eu
E passarei sozinha
Entre as mãos de quem lê
.

O poema alguém o dirá
Às searas
.

Sua passagem se confundirá
Como rumor do mar com o passar do vento
.

O poema habitará
O espaço mais concreto e mais atento
.

No ar claro nas tardes transparentes
Suas sílabas redondas
.

(Ó antigas ó longas
Eternas tardes lisas)
.

Mesmo que eu morra o poema encontrará
Uma praia onde quebrar as suas ondas
.

E entre quatro paredes densas
De funda e devorada solidão
Alguém seu próprio ser confundirá
Com o poema no tempo
.

Sophia de Mello Breyner

.