13 de abr de 2010

Manoel de Barros...

.
.
VII
.O sentido normal das palavras não faz bem ao poema.
Há que se dar um gosto incasto aos termos.
Haver com eles um relacionamento voluptuoso.
Talvez corrompê-los até a quimera.
Escurecer as relações entre os termos em vez de aclará-los.
Não existir mais rei nem regências.
Uma certa liberdade com a luxúria convém.
.Manoel de Barros
in O Guardador de Águas, Rio de Janeiro/São Paulo, Editora Record, 2009, p. 63
.

9 de abr de 2010

Van Gogh
.

..
Solidão no inverno
O velho aquece as mãos
com as próprias mãos
.
Eunice Arruda
.
in Há estações. Editora Escrituras, São Paulo 2003, p.45
.
.
.
.

4 de abr de 2010

Só Dez Por Cento é Mentira

.
.

.
Ficha Técnica

Título Original:
 Só Dez Por Cento é Mentira
Gênero:
Documentário
Direção:
Pedro Cezar
Produtores:
Kátia Adler
 Lully Villar
Pedro Cezar
Rafaela Treuffar
Elenco:
Bianca Ramoneda
Manoel de Barros
Joel Pizzini
Paulo Giannini
Adriana Falcão
Fausto Wolff
.


.
(cena extra)
.


.
Teologia do traste
.
As coisas jogadas fora por motivo de traste
são alvo de minha estima.
Prediletamente latas.
Latas são pessoas léxicas pobres porém concretas.
Se você jogar na terra uma lata por motivo de
traste: mendigos, cozinheiras ou poetas podem pegar.
Por isso eu acho as latas mais suficientes, por
exemplo, do que as idéias.
Porque as idéias, sendo objetos concebidos pelo
espírito, elas são abstratas.
E, se você jogar um objeto abstrato na terra por
motivo de traste, ninguém quer pegar.
Por isso eu acho as latas mais suficientes.
A gente pega uma lata, enche de areia e sai
puxando pelas ruas moda um caminhão de areia.
E as idéias, por ser um objeto abstrato concebido
pelo espírito, não dá para encher de areia.
Por isso eu acho a lata mais suficiente.
Idéias são a luz do espírito - a gente sabe.
Há idéias luminosas - a gente sabe.
Mas elas inventaram a bomba atômica, a bomba
atômica, a bomba atôm.................................
...................................................... Agora
eu queria que os verbos iluminassem.
Que os trastes iluminassem.
.
Manoel de Barros
in Poemas Rupestres. Rio de Janeiro, Record, 2007, p. 47
.
Leia:
.

2 de abr de 2010

2 de abril: Dia Internacional do Livro Infantil !

A comemoração acontece no dia do nascimento do escritor Hans Christian Andersen.
.
.
.
É dificil encontrar um adulto que ainda não ouviu ou leu uma das histórias de Andersen.
.

.


.
.
.
Aproveito essa data para homenagear o  escritor português António Garcia Barreto.   
Conheci António através do seu antigo blog  Tio Lunetas.  "A Oficina do Tio Lunetas foi o título de uma página infantil por mim criada e coordenada no semanário regional Notícias da Amadora nos anos de 1981-82. Recuperei-o agora para acolher este espaço de Mecânica da Fantasia e Outras Artes para Crianças e Jovens. Aqui serão incluídos diversos temas relacionados com a literatura infanto-juvenil. Desde a criatividade à informação. Certamente, este blog não terá uma actualização diária. Mas prometo tanto como possível uma Mecânica afinada."
Uma grande parte da sua obra é dedicada ao público infanto-juvenil:

«O Caso da Cobra com Asas», col. Brigada Azul, Oficina do Livro, 2009
«Ricardo Caiu no Buraco de Ozono», Ambar, 2008
«Conta Comigo, Pai!», Ambar, 2006
«A Mitra Desaparecida», Ambar, 2006
«Uma Zebra ao Telefone», Ambar, 2006
«Amanhã Regresso a Casa», Ambar
«O Caso da Máscara Desmascarada», Vega Editora, 2001
«O Caso da Cobra com Asas», Vega Editora, 2000
«Eu Vou Contar a História do Livro», Edições Nave, s/d
«O Luxo da Gata Mafalda», Edições ASA, 1986
«Um Hipopótamo com Soluços», Edições Nave, 1985
«Tobias, Um Gato Com Manias», Edições Ró, 1982
«Na Rua Onde Moro», Plátano Editora, 1981
«Na-Nu, O Menino Que Estudava Num Livro de Pedra», Editorial Caminho, 1979
«História das Três Janelas», Plátano Editora, 1977
«Botão Procura Casa», Plátano Editora, 1977. Posterior versão em Braille.
.

Nesse mes de abril pela Oficina do Livro chega as livrarias o seu novo romance: UM SORRISO PARA A ETERNIDADE.
 .

"O sorriso amável do meu avô Aurélio é a única imagem forte que retenho dele. Tudo o resto, que não foi nada, acabou por se esfumar ou nem sequer existir. Só esse sorriso magnético e encantador me liga à sua memória, levando-me a pôr em dúvida a sua herança genética, já que eu nunca soube sorrir, e ainda menos de forma amável. Mas alguma coisa devo ter herdado dele. Ando agora interessado em desvendar a sua existência misteriosa e um tanto desvairada, segundo a opinião geral da família, para compreender melhor as razões da minha própria vida." ( leia mais)
.
Mesmo tendo recebido durante todos esses anos o destaque e o merecido reconhecimento de sua obra, António ainda conserva o hábito saudável e elegante  de gostar de conversar com os seus leitores. A comemoração desse blog, nesse 2 de abril,  é  dedicada a ANTÓNIO GARCIA BARRETO.
.
.

1 de abr de 2010

Dia Internacional do Homem?

O  Elcio Tuiribepi me convidou para participar de uma brincadeira nesse 1 de abril. Seu blog está promovendo uma blogagem coletiva em homengagem ao Dia Internacional do Homem:
.
.
Escolhi uma crônica de Fernando Sabino para animar essa festa:
.

Aldemir Martins - Menino
.
Menino
.
Menino venha pra dentro, olhe o sereno! Vá lavar essa mão. Já escovou os dentes? Tome a bênção a seu pai. Já pra cama!
Onde é que aprendeu isso, menino? Coisa mais feia. Tome modos. Hoje você fica sem sobremesa. Onde é que você estava? Agora chega, menino, tenha santa paciência.
De quem você gosta mais, do papai ou da mamãe? Isso, assim que eu gosto: menino educado, obediente. Está vendo? É só a gente falar. Desça daí, menino! Me prega cada susto... Pare com isso! Jogue isso fora. Uma boa surra dava jeito nisso. Que é que você andou arranjando? Quem lhe ensinou esses modos? Passe pra dentro. Isso não é gente para ficar andando com você.
Avise a seu pai que o jantar está na mesa. Você prometeu, tem de cumprir. Que é que você vai ser quando crescer? Não, chega: você já repetiu duas vezes. Por que você está quieto aí? Alguma você está tramando... Não ande descalço, já disse! Vá calçar o sapato. Já tomou o remédio? Tem de comer tudo: você acaba virando um palito. Quantas vezes já lhe disse para não mexer aqui? Esse barulho, menino! Seu pai está dormindo. Pare com essa correria dentro de casa, vá brincar lá fora. Você vai acabar caindo daí. Peça licença a seu pai primeiro. Isso é maneira de responder a sua irmã? Se não fizer, fica de castigo. Segure o garfo direito. Ponha a camisa pra dentro da calça. Fica perguntando, tudo você quer saber! Isso é conversa de gente grande. Depois eu dou. Depois eu deixo. Depois eu levo. Depois eu conto.
Agora deixa seu pai descansar - ele está cansado, trabalhou o dia todo. Você precisa ser muito bonzinho com ele, meu filho. Ele gosta tanto de você. Tudo que ele faz é para o seu bem. Olhe aí, vestiu essa roupa agorinha mesmo, já está toda suja. Fez seus deveres? Você vai chegar atrasado. Chora não, filhinho, mamãe está aqui com você. Nosso Senhor não vai deixar doer mais.
Quando você for grande, você também vai poder. Já disse que não, e não, e não! Ah, é assim? Pois você vai ver só quando seu pai chegar. Não fale de boca cheia. Junte a comida no meio do prato. Por causa disso é preciso gritar? Seja homem. Você ainda é muito pequeno para saber essas coisas. Mamãe tem muito orgulho de você. Cale essa boca! Você precisa cortar esse cabelo.
Sorvete não pode, você está resfriado. Não sei como você tem coragem de fazer assim com sua mãe. Se você comer agora, depois não janta. Assim você se machuca. Deixa de fita. Um menino desse tamanho, que é que os outros hão de dizer? Você queria que fizessem o mesmo com você? Continua assim que eu lhe dou umas palmadas. Pensa que a gente tem dinheiro para jogar fora? Tome juízo, menino.
Ganhou agora mesmo e já acabou de quebrar. Que é que você vai querer no dia de seus anos? Agora não, que eu tenho o que fazer. Não fique triste não, depois mamãe dá outro. Você teve saudades de mim? Vou contar só mais uma, que está na hora de dormir. Agora dorme, filhinho. Dê um beijo aqui - Papai do Céu lhe abençoe. Este menino, meu Deus...
.
Fernando Sabino
Elenco de cronistas modernos. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1978
.